The fog

É decadente
Quando o que nos passa pela mente
Não passa de um nevoeiro
Ás vezes dark
Outras vezes broeiro

Passa fica por inteiro
Mas de risco o ar leva
E porque não queda
Sem a seguir se deitar

Passa do in ao ar
Não toca sequer no mar
Vai nevoeirando
Goteando folhas pingando

O frio que deixa
Passa e não se queixa
De que um calor espera
Amanhã o vento nagavera

Como gaivota do rio
Que dorme sentada
Não treme com o frio
Branca ela gaviata

Invento palavras e daí
Escrevo em tom de i
Vejo noites de branco
Passo passo pelo manto

Tiago de Carvalho
18 oct 2011

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Amor, Amplexo, Antigo, Carvalho, coimbra, Ensaio, Fog, Idiossincrasia, itiago, Maschera, Máscara, Moderado, Nim, pensar, Perfeito, poesia, poeta, sentir, Tiago, Uncategorized, Valentim, Vermelho com as etiquetas , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s